A solidão de Cláudio

Era sexta-feira feira e Cláudio estava sem vontade de levantar, sem disposição para nada, não tinha nada pra fazer, estava um tédio só já há alguns dias, só pensava em como era bom ficar abraçado com Joana, sua esposa, que havia viajado a trabalho. As férias dele estavam terminando e nada de interessante havia acontecido. estava com saudades da esposa com quem tinha uma vida sexual muito ativa.


Joana sempre aparecia com um lingerie novo, daqueles que têm uma calcinha minúscula na parte de trás deixando toda a bunda de fora, cheia de rendinhas, realçando a bunda maravilhosa dela, isso bastava para que ele caísse de língua nela, pulasse pra cima dela e a chupasse como se quisesse sugar toda aquela buceta, explorando todos os seus orifícios, e ela contorcia-se e gritava de prazer arranhando a costa dele chegando a feri-lo. Havia vezes em que passavam longo tempo se chupando em um 69 frenético, prolongando ao máximo a chegada do orgasmo até que o pênis de Cláudio, já bastante entumecido, escorregava macio pra dentro daquela buceta melada que implorava para ser penetrada com bastante força, e quando enfim chegava o orgasmo, Joana gritava feito louca “Fode essa buceta, fode que é toda tua, só tuaaaaaaaa!”. Chegando quase a chorar de prazer.
Aos poucos Cláudio foi despertando e lembrou-se que tinha o aniversário de seu amigo Fernando, estava indeciso, se ia ou não, mas não custava nada, já que era apenas uma quadra da rua onde morava, então resolveu ir, foi o primeiro a chegar.
Lá chegando, as mulheres da casa estavam todas ocupadas fazendo ainda as guloseimas, eram velhas conhecidas de sua mulher, a sogra de Fernando, a esposa dele, Erica e uma secretaria da casa. Jamais passava pela cabeça de Cláudio engraçar-se com qualquer uma delas, a família era muito próxima, todos se conheciam e Joana jamais o perdoaria por isso, na verdade não perdoaria qualquer traição da parte dele.
Os vizinhos foram chegando, Cláudio ficou na sala tomando cerveja com Fernando e com outros amigos ali presentes quando entra Amália, que era amiga recente da família, a sensualidade em pessoa, a encarnação do pecado, cumprimentou a todos cordialmente e seguiu para a cozinha onde estavam as outras mulheres da casa, enquanto caminhava dava pra ver a marca da minúscula calcinha realçada na caça jeans que usava. Cláudio tinha vontade de agarrá-la ali mesmo, só faltou comê-la com os olhos. Ele estava que não se continha de tanto excitação diz que precisa ir ao banheiro, mas na verdade queria mesmo era ver Amália.
Chegando à área de serviço onde ela estava, senta em uma cadeira de frente para ela e começa a mexer distraidamente no celular sem demonstrar interesse por ela, mas não deixava de notar a beleza estonteante da moça. Ela parecia insegura por estar ali na frente dele e virou de lado na cadeira para conversar com as mulheres da casa, nisso, como a calça era muito apertada e de cintura baixa, acabou deixando à mostra as curvas deliciosas dela, com aquela pele bronzeada e aqueles pelinhos loiros realçados pelo lingerie vermelho que usava.
Chegou a hora do almoço e todos se dirigiram à mesa onde seria servida a refeição, Cláudio dá um jeito de sentar-se bem ao lado de Amália e quando ela baixa a mão sob a mesa, ele também dá um jeito de baixar a sua como quem não quer nada, só para encostar a pele macia e aveludada dela que parece levar um choque com o toque, afasta um pouco a mão, mas ele insiste até começar a roçar o dedinho por cima da mão dela que não aguentando mais resolve entrar no jogo e o deixa acariciá-la. Começa a estremecer sentindo a calcinha molhar, já fazia dois meses que não transava e estava que não se continha de tanto tesão, doida pra ser penetrada por um caralho bem grande, doida para dar em todas as posições para aquele homem que a seduzia.
As pessoas não paravam de comer, e o tempo parecia demorar uma eternidade, mas finalmente chega a hora da despedida quando por fim Cláudio, em mais uma investida ousada, cria coragem e passa disfarçadamente o número de seu telefone para Amália.
Já em sua casa, aguardando ansiosamente ela ligar ou mandar um Watsap, quase explodindo de tanto tesão, resolve tomar um banho, teve que se controlar muito para não bater uma punheta imaginando como seria transar com Amália. Enquanto estava trocando de roupa percebe que chega uma mensagem tímida dela pelo Watsap, “Oi”, ele responde “Olá, tudo bem? ‘Tudo sim’ Será que a gente poderia se encontrar? E ela “Pra que?”, “Ora, pra conversar… se conhecer um pouco”, pausa… até que ela responde “Tá… onde?”, “Diz aí, você está na sua casa? Posso ir aí? , e ela “Tá, tudo bem, mando o endereço pra você”, e fez isso, “Então tá, com uma hora eu chego aí”. Ambos estava tão excitado que só com muito custo conseguiam disfarçar.
Chegando ao centro, no prédio onde Amália morava, Cláudio liga para ela que fala que ele pode subir, não havia porteiro no prédio e o portão estava aberto, era o apartamento número três de um prédio pequeno de classe média, ele subia, e a cada degrau que subia o coração acelerava.
Ao chegar à porta do apartamento número 3, ela já estava abrindo a porta, havia mudado de roupa, tinha tomado um banho, se perfumado, ele entregou a sacola com o vinho que trouxera ela sorriu e foi direto à cozinha retornando com duas taças, entregou uma para ele, senta-se ao lado dele no sofá e pergunta:
– E então, o que era que você queria me dizer – E bebe o vinho.
– Eu, só pensei que seria interessante que nós pudéssemos nos conhecer melhor.
– E a Joana?
Ela já sabia de Joana, na certa havia conversado com as mulheres na casa de Fernando.
– Ela está em São Paulo, a trabalho, só volta na semana que vem.
– E por que você não foi com ela?
– É que nossas férias não coincidiram e eu tive que ficar – Fica olhando por um tempo para ela e desconversa – Que tal você colocar uma música?
Ela então se levantou deixando à mostra a parte de trás das coxas roliças bronzeadas, com pelinhos loiros, foi até o lugar onde fica o som e colocou uma música romântica. Ele levanta e antes que ela possa sentar, a pega pelo braço e a convida para dançar.
– Vamos dançar?
Começam a dançar coladinhos e aos poucos, já não aguentando de tanto excitação, o calor os domina, e eles procuram a boca um do outro e beijam-se sofregamente, ele a carrega no colo levantando seu vestido e afundando a mão naquela bunda deliciosa, continuaram beijando-se, ele afasta a calcinha dela pro lado e vai direto pra buceta. enterrando os dedos que escorregam macio pra dentro da vagina dela, carrega-a até o sofá onde a coloca deitada de frente, acaricia-a por cima e por dentro da calcinha, afasta suas pernas e vai tirando a minúscula calcinha com a boca para depois cair de língua naquela buceta maravilhosa, chupando-a como se quisesse devorá-la, lambendo o cu dela e ela contorcendo-se no sofá até gozar na língua dele, depois ele a vira de costas e a põe de quatro, observa aquele monumento de mulher implorando pra ser penetrada, tira-lhe totalmente a calcinha e coloca pra fora a enorme vara reluzente, já com um visgo de sêmen aparecendo na glande, faz ela virar e coloca a pica na boca dela que a envolve com a língua enquanto punheta ele, ele a segura pela cabeça e começa a fazer movimentos de vai e vem.
Com a pica tão dura e empinada, Cláudio vira Amália de quatro, arreganha bem a bunda dela e dar mais umas lamidas no cu e na buceta dela deixando-a bem molhadinha, estava chegando a hora de enterrar a vara naquele bucetão, brilhante e melado de gozo, comprimindo-se, pedindo que ele a penetrasse. Segura-a então pelo quadril e enfia de uma vez a pica naquele buraco macio e melado e a fode com força apertando seus quadris, puxando-a para frente e para trás, fazendo o anel de couro dela envolver o seu caralho.
Ela começa a gritar de prazer “Fode essa boceta, fode, mete tudo, mete com força” e ele também começa a chegar ao clímax, sentindo que vai gozar, aumenta os movimentos até que quando está quase pra gozar, tira a pica rapidamente da buceta, arranca o preservativo e punheta para gozar em cima da bunda dela e quando espreme até a última gota de porra quente, joga-se por cima dela e ficam abraçados por um longo instante.
Uma semana depois Joana chegou, mas Cláudio não perdeu o contato de Amália e sempre que tem uma folga, quando sua esposa precisa viajar, já não passa os dias tão solitários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *