Da Chuva ao Pecado

Meu nome é Ronaldo, tenho 21 anos, sou moreno claro, 1,68, o fato aconteceu ano passado, tenho uma irmã que se chama Gilmara, na época ela estava com seus 18 anos, pele clara, com seus 1.60, baixinha, cabelos encaracolados, olhos esticados, boca pequena, seios empinados, Gilmara até hoje faz academia, antes desse fato, nunca tivemos nada, sempre conversamos sobre tudo, claro que sexo não era taboo entre nós, tanto que ela me contou algo sobre a primeira vez dela que não tinha muito tempo, não tem namorado, gosta de balada, ano passado, nossos pais foram para Santo Antônio de Jesus, enquanto eu e Gimara tivemos que permanecer na cidade até finalizar semana de prova das faculdades, era época de são joão, nossos pais levaram nossas mochilas com nossas

roupas e materiais de higienes pois iriamos passar são joao naquela cidade, tenho uma moto, um dia antes de viajarmos claro 2 dias antes do são joao, tivemos uns contratempos, claro, quando viajamos fomos com uma mochila única com pouca coisa, eu levei pouquíssimas coisas já que a maioria já estavam na cidade levadas anteriormente caso precisasse na viagem, Gilmara, me entrega uma sacolinha e sai para pegar algo, então abro a sacolinha e nela tinham 2 calcinhas doll, que coisa linda, foi se arrumar e quando retornou veio com uma blusinha curta folgada, uma saia de crochê curta e um tamanquinho de madeira, falei; Nossa que gata, abracei ela, então ela pega o celular para tirar uma selfie eu a segurava pela cintura dela, eu estava com short folgado, caramba ela deu uma empinada então apertei a cintura e fiquei de pau duro, ela tentava posicionar o celular para tirar a foto quando sentir a mão dela apertar meu pau e disse; Tá louco é kkkkkkk se toque!!!.
Gilmara tem pernas não grossas mais são lindas e são lisas, pés pequenos, depois que ela tirou a foto então fomos pegar a moto na garagem isso já era umas 20:50 horas, já no ferry boat a chuva começou a apertar, até aí tudo bem, não avisamos a ninguém que estávamos indo, seria uma surpresa para todos, durante a viagem ela me abraçava devido ao frio, sentia arrepios e como fazia muito vento, a blusinha dela subiu e deu para ver os seios com os bicos arrepiados, fingir não ver nada, após a viagem de ferry, chegamos em bom despacho, terminal da ilha, já não chovia, mais o tempo ameaçava, seguimos viagem, quando chegamos próximo de Nazaré, a chuva começou nos molhamos e decidir procurar um local para ficarmos e passar a chuva, paramos num posto de gasolina nisso já eram quase 23 horas, bem tarde, o jeito foi bater num motel já que não havia outra opção, Gilmara e eu molhados, entramos na recepção e quando eu estava me identificando, toca o celular de Gilmara, ela atende e me diz; é nossos pais, a recepcionista então diz, não há quarto com 2 camas, então vocês podem dar um jeito por serem irmãos? Ficamos calados, então Gilmara disse ele dorme no chão eu que não vou, a ligação tinha caído devido ao sinal, mais não disse que estávamos indo, lá fora a chuva só engrossava, quando subimos para o quarto, já começávamos a ouvir gemidos e gritos kkkk era um tal de “chupa minha buceta” rsrsrrs, e meu pau já explodindo, o banheiro dava para ver a pessoa tomando banho, proteção só no vaso, Gilmara então tira a blusinha enquanto eu ia tentando achar local para secar roupa, liguei para a recepção e pedir ajuda dizendo que nossas roupas precisavam ser lavadas e secadas, a camareira então passou lá para pegar nem preciso dizer que estávamos apenas com as mudas de cueca e calcinha que tínhamos levado, só que antes tivemos que tomar banho, ainda bem que o chuveiro era quente, Gilmara foi primeiro e fiquei na cama vendo tv, enquanto aquela baixinha de seis lindos e bunda dura se banhava me olhando, eu vendo filme pornô e ela olhando para mim e eu admirando também aquela buceta e que buceta, então levantei fui em direção ao banheiro e entrei no banho, ela ficou de costas enquanto eu também me ensaboava, meu pau duro peguei na cintura dela e coloquei meu pau no meio das pernas, ela ficou parada, olhou para trás e pediu para eu tirar aquilo que não era certo, ela saiu do banho pegou a toalha, o celular dela estava em cima da cama, ela ao tentar pegar sobe de joelhos na cama ficando de quatro, naquele momento eu sair do banho fui em direção a ela, peguei ela pela cintura e numa só estocada acabei metendo bem na buceta dela, Gilmara começou a gritar, me chamando de tarado, que eu não deveria come-la, estava não apertada, que me controlei para não gozar, fiquei ali tentando meter mais e mais, até que encostei minha virilha na bunda dela, ela mordia o travesseiro, gemia muito e gritava, eu estava todo dentro dela, que buceta bem apertada, dei muitos tapas na bunda dela, fazia elogios dizendo que ela tinha uma bunda linda, que era o sonho de consumo de qualquer homem era comer aquela bunda, ela dizendo que eu não poderia e que eu não era homem suficiente para fazer aquilo, quando ela se solta ela fica de pernas abertas virada para mim, ela pede para não continuarmos que poderia engravidar, subi na cama e afundei meu pau todo dentro, os seios que cabiam um de cada vez na minha boca, me fizeram imaginar mil coisas, eram deliciosos, duros e empinados como de fato de uma ninfeta que desponta para o sexo, sair e mandei ela ficar de quatro, ela então se posiciona segurando cabeceira da velha cama eu cuspi na cabeça da pica e fui forçando aquela bunda totalmente virgem, enquanto eu entrava ela gritava muito, dei muitos tapas naquela buda que nunca vou esquecer, redondinha e dura, com uma das mãos ela massageava a buceta, eu não acreditava naquilo, mandei ela desbloquear o celular dela e comecei a tirar fotos daquela loucura, eu estava cego de tzão, eu queria come-la de todas as formas e a buceta era meu alfo, já tínhamos uns 25 minutos de pura putaria, agente tirando fotos, coloquei ela na beira da cama e antes de meter rola naquela buceta linda eu enfiava a língua bem no fundo e chegava a morder os lábios da buceta, falava tanta putaria, e mordia o pequeno pinguelo, olhei para ela e disse que iria gozar dentro, porque era a buceta mais linda que minha língua já tocou, ela com um travesseiro no rosto com vergonha de me encarar, então ela disse; na minha bucetinha não, vai gozar aqui! E aponta para a testa da buceta, e completou! Se gozar dentro e me engravidar, vou contar para todos que você me comeu a força, ela falava isso com uma voz de tzão e rouca, então avisei que ia gozar, acabei não tirando, ela sentindo os primeiros jatos dentro daquela pequena buceta inchada de pelos tão ralos, me empurra quando sair de dentro, gozei, acebei também melecando a testa da buceta ela já sem o travesseiro no rosto, pude ver a expressão daquela linda ninfeta fazendo cara de puta, eu não acreditava, ela levou a mão na testa da buceta passando os dedos, levando porra a boca, Gilmara com aquela cara de tzão, me fez cometer uma loucura, com meu pau ainda duro querendo mais, soquei novamente na buceta mesmo com a casseta toda melada, foi uma loucura, ela gritando, pedindo para tirar, sai, dizendo alto, “quer me engravidar seu louco”, quando de repente, sentir que ia gozar e larguei tudo dentro daquela buceta maravilhosa, Gilmara só percebeu porque eu não conseguia mais manter o ritmo acelerado, depois de ter gozado, tirei meu pau todo melado, ela olha para mim e diz; “tem ideia do que fizemos e do que você acabou de fazer?, você ta maluco, eu estou no período fértil, o que vou falar para justificar essa loucura Ronaldo,”, deitei ao lado dela, avidei que tinha visto uma cartela de pílula do dia seguinte na mesinha, coloquei um peitinho dela na boca, aproximei no ouvido dela, dizendo que chegando em Salvador depois da viagem, eu queria que ela fosse comigo num motel bacana com mais luxo, ela disse que não seria uma boa ideia, não podíamos ter feito aquilo, que ninguém dever imaginar aquilo, permanecemos neste motel até o dia seguinte, peguei o celular dela para olhar as fotos e tinha colocado para filmar, olhamos e ela envergonhada, vendo um vídeo ela de quatro sendo devorada pelo maninho, nem preciso dizer que meu pau duro ela olhando e dizendo que por aquele momento chega, levantou foi tomar banho e comentou algo sobre camisinha, então falei; “pra que? Eu queria sentir meu pau em contato com a carne da sua buceta, sentir esse rabo que meus amigos dizem que são loucos para comer, ela ficou curiosa, nunca tinha dito isso a ela, mais muitos amigos sonham em comer Gilmaraem especial comer o lindo rabo redondinho dela, no quarto tinha frigobar tínhamos tomado duas cervejas, um red bull, e em cima da mesa tinha pílulas do dia seguinte, peguei e dei apara ela tomar. Quando fomos dar baixa, a recepcionista recebe a ligação da camareira informando o que foi consumido, foi quando ela pergunta; Sua irmã precisou da pílula do dia D?, Eu disse, sim!, e tinha que tomar mesmo, ela estava no período fértil, durante o caminho ainda paramos para comer algo, conversamos sobre o ocorrido, ela demonstrou não confiar na pílula, nunca tinha tomado, ligou para uma amiga para falar sobre e contou que a transa tinha sido com um ficante, ao chegar no sitio notei que Gilmara ficou sem jeito, afinal, tínhamos passado uma noite inteira fazendo muito mais que putaria, foi pecado, incesto, bom, lembro que a mestruação seguinte atrasou, não tinha chegando no período correto, segundo ela em mensagem para mim, nunca tinha atrasado, bastou fazer algo errado que isso veio acontecer, foram dois dias de atraso e por dois dias ficamos no pânico já imaginando possíveis desculpas para justificar uma gravidez, o tempo todo nos falando pelo whatsapp sobre a tal mestruação e ao final de dois dias, ela veio, claro que antes do seguindo dia para ter certeza que nada deu errado, resolvemos sair, estávamos de carro de nossos pais, fomos para farmácia e para conversarmos com mais privacidade, acabamos num motel bem distante da região que moramos, o teste deu negativo, não tínhamos cabeça para fazer muita coisa, mais essa parte contarei depois para vocês, hoje claro, não fazemos incesto, o fato de não ter usado camisinha e eu ter gozado dentro fez com que ela ficasse receosa, ainda assim, acontece mais não com a frequência que vocês possam imaginar, tem que ser muito bem planejado, recomendações, e diminuiu muito até porque ela tem um ficante, parte da nossa conversa, ela precisava ter alguém ou outros para não dar na pinta, até porque depois dessa aventura, foi comum saímos juntos durante estes dois dias, conversas particulares e numa dessas houve um questionamento sobre essa aproximação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *