Provocamos o atendente gostoso e ele acabou realizando a nossa vontade…

Aconteceu em nossas férias em Camboriú/SC, era uma antiga fantasia minha, ver Sophia levando vara de outro homem.

Foi meio sem querer, sem combinar nada, mas acabou acontecendo.

Sou casado há 10 anos com uma linda mulher, Sophia, morena, 1,68 m, 64 kg, gostosa, estilosa e muito sensual, adora malhar, bunda grande e firme, agora turbinou os seios, colocando 240 ml, ficaram também grandes para sua altura, adorei, parece uma máquina de fazer sexo.

Em relação a sexo, no começo foi bastante conservadora, mas com o passar do tempo foi amadurecendo, e após dois anos de relacionamento já se entregava por completo para mim, passou a foder como uma puta, adorando chupar e levar no cu.

Assistimos a muitos filmes pornôs, onde eu percebia sua excitação aumentar com duplas penetrações, passamos a fantasiar que eu a estava dividindo com outro homem e ela gozava na hora, e eu também (rsrs)…

Por ser muito gostosa, sempre que viajamos para longe gosto que ela se exiba com roupas curtas, saltos altos, biquínis minúsculos e ela me atende sempre com muito esmero, porque além de também curtir esse seu exibicionismo, ela chama atenção como ninguém dentro destes trajes sensuais.

Ela gosta de ver o olhar de tesão de outros homens, mas nunca tínhamos passado disto, no máximo, em alguma balada, depois de algum álcool, ela dançava com algum amigo meu, esfregando-se e deixando-o louco.

Mas nestas férias surgiu a oportunidade.

Sophia acabou tendo um problema de laringite, chegando a ficar sem voz, e não poderíamos aproveitar a praia já que ela não poderia pegar sol.

Para uma recuperação mais rápida decidimos fazer uma injeção de algum antibiótico mais potente, fomos a uma farmácia da cidade onde fomos atendidos por um rapaz de uns 25 anos, moreno forte, alto e bonito, que posteriormente viemos a saber que se chamava Pedro, expliquei a situação, ele recomendou o medicamento e ofereceu-se para aplicar a injeção, com o que concordamos de imediato.

Fomos levados por Pedro a uma pequena sala onde havia uma maca e uma escada de três degraus.

Sophia estava com uma microssaia branca, que realçava o bronzeado adquirido, e salto alto.

Pude perceber os olhares de Pedro para sua bunda, marcada pela minúscula calcinha fio-dental que usava. (me excitei muito com isso)

Ele pediu pra ela sentar na maca enquanto ele preparava o material, ela atendeu, e por estar com uma microssaia e a maca ser alta, deixou sua calcinha a mostra para mim e Pedro, já estávamos a sua frente, ela, sem constrangimento algum, fazia de conta que não percebia, aliás, dissimulação é uma de suas virtudes mais brilhantes e excitantes…

Preparada a injeção Pedro perguntou se gostaria de aplicar no braço, respondi que não, (ela estava sem voz, não conseguia falar), respondi que na nádega doeria menos, sendo assim Pedro pediu que Sophia deitasse de bruços na maca, no que ela o atendeu, proporcionando-nos mais um show, sua microssaia deixou à mostra todo seu rabo maravilhoso.

E eu mesmo, com muito prazer, subi um pouco mais sua sainha para que Pedro aplicasse a injeção.

Pedro parecia hipnotizado, não tirava os olhos da bunda de Sophia, redonda, com uma minúscula calcinha atolada no rego.

Ele pegou algodãozinho com álcool e esfregava no local escolhido para aplicação lentamente, afastando as polpinhas de sua bunda, tentando enxergar aquele cuzinho maravilhoso que só eu havia experimentado até então, aplicou delicadamente a injeção e novamente ficou pressionando o local e abrindo mais um pouquinho sua bunda, explicando que era para não ficar hematoma, estava aplicada a injeção…
Propositalmente não baixei sua saia, e Sophia, para levantar-se lentamente, ficou de quatro sobre a maca, com sua bunda de fora para mim e Pedro, depois desceu até o chão, se recompôs puxando a microssaia e fomos embora, com a certeza que Pedro bateria uma gostosa punheta pensando na sua bunda, mas logo ele nos informou que deveríamos voltar no dia seguinte, pois seriam necessárias 3 doses da medicação, em 3 dias seguidos.

Sophia estava excitadíssima com o que havíamos feito e transamos loucamente quando chegamos ao hotel, ela estava molhadinha com toda situação, não demorou a gozar na minha boca, eu a chupava com uma louca vontade, perguntei em seu ouvido enquanto comia sua boceta se havia gostado de se exibir para Pedro, ela acenou a cabeça dizendo que sim, disse a ela que no dia seguinte ela teria que provoca-lo mais ainda, e ela novamente acenou que sim.

No mesmo horário no dia seguinte estávamos lá, fomos atendidos por Pedro e levados diretamente ao ambulatório.

Sophia estava mais gostosa ainda, com um topzinho, sem soutien, seus peitões pareciam que iam saltar pra fora, os mamilos marcavam o tecido, ela usava uma calça branca, de lycra, com a cintura bem baixa, atolada no rabo, marcada por um fio-dental preto, (preto de propósito para marcar bem a calça).

Novamente Pedro fez todo procedimento do dia anterior em Sophia, já deitada de bruços.

Preparada a injeção, Sophia estava de bruços na maca, empinou um pouco mais sua grande e deliciosa bunda, abrindo o zíper e o botão de sua calça, e eu, lentamente, a puxei para baixo, até metade de suas coxas, sua calcinha meio que veio junto, descendo até metade de sua bunda, desenterrando de seu rabo, propositalmente não a puxei pra cima, deixei-a onde estava, ficando a mostra sua boceta completamente depilada (em função dos minúsculos biquínis fio-dental que usa, ela não pode ter nenhum pelo), Pedro não desgrudava os olhos da sua xana, e repetiu seus movimentos do dia anterior com aquele algodãozinho, só que com mais força e mais demoradamente, podendo hoje ver seu cuzinho rosado e arrombado, e sua Boceta (que já devia estar encharcada), pois além da calcinha ajudar na visão, Sophia deixou as pernas bem mais afastadas.

Aplicada a injeção novamente, Pedro não se fez de rogado e pressionou mais o local, abrindo bem sua bundinha, o cheiro de sua Boceta perfumava o ar.

Puxei sua calcinha, atolando em sua bunda, Sophia puxou um pouco as calças e desceu para acabar de se arrumar, Pedro não conseguia disfarçar sua ereção e um pau muito grande debaixo das calças que pudemos perceber.

Fomos para o Hotel e Sophia, já com um pouco de voz me provocava, perguntando se eu tinha gostado de ver Pedro olhando e mexendo tão próximo de seu cuzinho, eu respondia que sim, e estava louco que ele a comesse no dia seguinte, ela gozou imaginando o pauzão de Pedro dentro dela, eu também (rsrsrrs).

Última dose da injeção de Sophia, e seu corno estava decidido a provocar Pedro ainda mais, e já tinha preparado uma surpresa para os dois.

Estávamos excitadíssimos na manhã seguinte, eu tinha um plano para realizar meu desejo de ver Sophia ser fodida por outro na minha frente, e levaria ele adiante até o fim.

Combinei com Sophia que ela deveria provocar Pedro ainda mais, ela também estava gostando da brincadeira e concordou.

Fomos a um sex shop comprar uma calcinha menor ainda, escolhi uma que era de lacinhos na lateral, um triangulozinho de aproximadamente dois centímetros na parte superior e uma tirinha de um centímetro, mais ou menos, que ia até a frente, apesar dela achar muito pequena, convenci Sophia que deveria ser aquela.

Passeamos o dia todo, fomos ao shopping, ela com uma microssaia, um Top branco e salto alto, provocava a todos, principalmente nas escadas rolantes, onde eu fazia questão de passar toda hora para ver a reação dos homens que subiam atrás e ficavam enlouquecidos.

Voltamos ao Hotel, Sophia tomou um belo banho, se perfumou, vestiu sua menor minissaia, era uma saída de praia muito curta, colocou o fio-dental comprado, que desapareceu dentro do seu rabão, fomos a farmácia, ela estava excitadíssima com a situação, mas o melhor da festa ela ainda não imaginava.

Chegando lá todos comeram Sophia com os olhos, Pedro devia ter feito algum comentário com os colegas, mas por mim, sem problema.

Com sua simpatia de sempre, Pedro pediu que passássemos ao ambulatório, Sophia a frente rebolava muito, provocando muito quem vinha atrás.

Chegando lá, Sophia deitou-se na maca de bruços com quase toda bunda de fora, já que a micro era curta e soltinha.

Pedro já não disfarçava os olhares para sua bunda enquanto preparava a injeção.

Tudo pronto, subi sua sainha com o maior prazer e começou o show, aquele fiozinho estava enterrado no seu rabo, Sophia deixou as pernas bem mais afastadas que nos dias anteriores, aquela tirinha não se enxergava, somente um triangulozinho, menor que a marquinha dos seus minúsculos biquínis era o que se via, Pedro parecia que ia cair de boca a qualquer momento, não conseguia disfarçar seu tesão, pegou o algodãozinho e esfregava com força no local escolhido, abrindo sua bundinha, onde via-se seu cuzinho quase todo exposto, um quinto dele coberto pelo tecido da calcinha, lentamente Pedro preparou o local e aplicou a injeção, pressionou o local, abrindo de vez sua bunda, e eu ali, como um corno manso deixava e adorava.

Pedro deu o ponto da injeção e antes que Sophia começasse a levantar perguntei se poderia aplicar outro medicamento, a surpresa foi dos dois, ele perguntou ‘o que seria’, tirei do bolso um supositório (comprado durante o dia), apesar da surpresa, meio sem jeito ele disse que sim, expliquei para ele que nunca tinha feito isso antes, e que preferia deixar para alguém especializado.

Sophia não teve reação, ficou onde estava em silêncio.

Com o maior prazer desatei o lacinho que amarrava sua calcinha de um lado e a puxei para o lado, Pedro estava com os olhos estalados, não conseguia disfarçar sua ereção e um maravilhoso e enorme pau se percebia dentro de sua calça.

Pedi a Sophia que ficasse de quatro sobre a maca e empinasse bem sua bunda, ela em silencio atendeu, com as pernas semi abertas deixou-se totalmente exposta para Pedro, tirei do bolso uma pomada para lubrificação anal (aquelas com anestésico) e pedi que ele, antes de aplicar o medicamento, aplicasse a pomada, ele de pronto, agora mais decidido, pegou a pomada e começou a lubrificar o cuzão de Sophia, meu pau doía de tão duro, eu ali assistindo aquilo tudo resolvi ajudar, me aproximei e abri bem suas nádegas, deixando bem exposto aquele cu maravilhoso.
Pedro, que somente espalhava sobre o anus de Sophia uma camada de pomada, agora lentamente começava a enfiar um dedo no seu cu.
Sophia, de olhos fechados se controlava para não gemer de tesão.
Lentamente Pedro enterrou todo seu dedo anular em seu cu e o tirou, colocando mais pomada e forçando a entrada de dois dedos, que entraram fácil, aquele cu já era acostumado a levar vara, os dedos entravam e saiam.

Agora Pedro empurrava seu polegar, o cuzinho de Sophia o engolia com fome, ele pegou o supositório e empurrou com o polegar, fazendo-o desaparecer no seu reto, com cara de tarado me disse que o ideal para o medicamento seria aplicar o mais fundo possível, se eu permitisse ele poderia fazer isso, e eu disse que sim…

Pedro então pediu que Sophia ficasse de quatro, bem na ponta dos pés da maca, ela o atendeu, ele pegou a escadinha de três degraus (aquela de subir na maca) e colocou nos pés da maca, subiu no ultimo degrau, abrindo o zíper lentamente tirou uma vara de 21cm, cabeçuda e grossa, olhou para mim e disse, ‘é isso que tua mulher tá precisando, um pau bem grande nesse cu gostoso’, e eu, como um bom corno manso, concordei.

Pedro encostou aquela vara no seu rabinho e eu ali, assistindo a sua tentativa, forçou aquela vara que escorregou e enterrou na Boceta de Sophia que estava encharcada de tesão, começou um vaivém forte que fez Sophia gemer de prazer, elogiava a boceta de Sophia dizendo que nunca havia metido numa xoxota tão linda e gostosa.

Tirou seu pau da buça de Sophia e disse que aquele cu não iria escapar, e me chamando de corno, pediu a mim, que conhecia bem aquele cu, que lhe ensinasse o melhor caminho, mandou que eu segurasse seu pau e o direcionasse corretamente para entrar naquele cu tesudo.

Fui pego de surpresa, mas a vontade de ver aquele pauzão no rabo de Sophia era tão grande que o segurei com vontade, pedi que Sophia, ainda de quatro, empinasse bem aquele rabão e que encostasse sua cabeça na maca, e que com suas duas mãos abrisse bem sua bunda, eu com aquele cacetão na mão direcionei-o até seu cu com o polegar sobre a cabeçorra , forcei para baixo, fazendo ela encaixar na entradinha daquele cu que eu tanto amava, lentamente o rapaz forçou pra frente e Sophia, louca para ter aquele pau enterrado, forçava a bunda para traz lentamente, a cabeça entrou, soltei-o, agora com força e sem dó Pedro foi empurrando até a metade, parou durante alguns segundos e começou a bombar lentamente, Sophia gemia baixinho, ao fundo escutávamos os clientes e funcionários da farmácia conversando, e Pedro mexia gostoso naquele cu, desenterrava quase todo e enterrava novamente, sem dó, tirou o pau para fora deixando Sophia com o cu escancarado, cuspiu na cabeça e meteu de novo, com força, tirou novamente e pediu que eu lubrificasse seu pau com a pomada, pois enterraria fundo naquele cu, atendi, esfregando e punhetando aquele pau que novamente foi sumindo no rabo de Sophia, foi um pouco mais da metade, parou e perguntou se ela aguentava, fiz que sim, ele sem dó enterrou quase toda vara, mexendo com força, bombou enlouquecido até se acabar, não se aguentou e encheu o fundo do cu de Sophia de porra, tirou o pau e disse que o tratamento havia sido dado, o cu de Sophia ficou todo aberto, lentamente foi piscando e fechando, ainda com ela de quatro sobre a maca.

Sophia pegou um absorvente e o colocou, arrumou-se e, mancando um pouco em cima dos seus saltos, fomos embora para o Hotel.

Sophia estava com um sorriso de satisfação nos lábios, entrando no quarto atirou-se na cama e pediu para que eu chupasse sua boceta e contasse que gosto tinha aquele pau maravilhoso.

Chupei com vontade aquela boceta que havia gozado várias vezes, Sophia pediu que me deitasse na cama para fazermos um 69, eu por baixo e ela por cima, acabou erguendo-se e ordenando que eu lambesse o seu cu, comecei a enfiar a língua naquele cu que estava largo, o gozo de Pedro começou a descer, ela ordenou que o chupasse todinho, que a limpasse todinha daquela gala que escorria, me lambuzando todo rosto com muita porra, Pedro devia estar com o saco cheio, pois gozou feito um cavalo.

Com o rosto todo lambuzado, Sophia agora me beijava apaixonadamente e pedia que eu prometesse arranjar outros machos para comê-la na minha frente, prometi que sim, como um bom corno manso.

Em breve voltaremos pra contar outras das nossas aventuras.

Se gostaram dessa nossa história, comentem e votem, Sophia adora ler os comentários de vocês.

Beijos a todos e até breve

4 thoughts on “Provocamos o atendente gostoso e ele acabou realizando a nossa vontade…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *